De cara limpa.

Nunca tem roupa o suficiente, sapatos que combinem, maquiagem pra ocasião. Sempre falta o batom ideal, um pincel mais profissional, um cinto que faça toda a diferença. Você compra o vestido mais lindo do mundo e depois da segunda vez que usa, já tem certeza de que o mundo inteiro já te viu com ele e precisa urgente de um novo. A moda vem, a moda vai e acompanhar é quase um esporte. É de enlouquecer qualquer uma e do tipo de loucura que não tem fim. Repica o cabelo, pinta, faz franja, californiana, ombré hair, deixa crescer, volta à cor natural. Academia, dieta. E tudo isso pra quem? Tudo isso pra que? Pra ser melhor do que a menina que te olha torto, impressionar, pra não enjoar da imagem refletida no espelho, pra se sentir desejada pelos carinhas que se acham o máximo, mas são o mínimo. Se sentir melhor consigo mesma, talvez. Mas me diz, no final de tudo, no fim das contas, se sente mesmo? No dia seguinte da festa, depois do demaquilante, com o cabelo preso, essa é você. E ela é absurdamente linda, sem roupa enfeitada, sem forçar a barra, crua. Depois do banho, de cabelo ainda molhado, é o estado mais puro e sublime da beleza que quase todas insistem em esconder com quilos de pó corretivo e base. A triste verdade é que a gente passa a vida se maquiando, produzindo, mudando o cabelo e o guarda-roupa a todo instante, esperando pelo cara que ache tudo isso muito bonito, mas num domingo de tarde qualquer, te olhe de short, blusa branca e chinelo e confesse, meio sem jeito "Eu prefiro mil vezes você assim, de cara limpa."

Não se pede, não se implora.

"Amor não se pede, é uma pena. É uma pena correr com pulinhos enganados de felicidade e levar uma rasteira. É uma pena ter o coração inchado de amar sozinha, olhos inchados de amar sozinha. Um semblante altista de quem constrói sozinho sonhos. Mas você não pode, não, eu sei que dá vontade, mas não dá pra ligar pro desgraçado e dizer: ei, tô sofrendo aqui, vamos parar com essa estupidez de não me amar e vir logo resolver meu problema? Mas amor, minha querida, não se pede, dá raiva, eu sei. Raiva dele ter tirado o gosto do mousse de chocolate que você amava tanto. Raiva dele fazer você comer cinco mousses de chocolate seguidos pra ver se, em algum momento, o gosto volta. Raiva dele ter tirado as cores bonitas do mundo, a felicidade imensa em ver crianças sorrindo, a graça na bobeira de um cachorro querendo brincar. Ele roubou sua leveza mas, por alguma razão, você está vazia. Mas não dá, nem de brincadeira, pra você ligar pro cara e dizer: ei, a vida é curta pra sofrer, volta, volta, volta. Porque amor, meu amor, não se pede, é triste, eu sei bem. É triste ver o Sol e não vê-lo se irritar porque seus olhos são claros demais, são tristes as manhãs que prometem mais um dia sem ele, são tristes as noites que cumprem a promessa. É triste respirar sem sentir aquele cheiro que invade e você não olha de lado, aquele cheiro que acalma a busca. É triste amar tanto e tanto amor não ter proveito. Tanto amor querendo fazer alguém feliz. Tanto amor querendo escrever uma história, mas só escrevendo este texto amargurado. É triste saber que falta alguma coisa e saber que não dá pra comprar, substituir, esquecer, implorar. É triste lembrar como eu ria com ele. Mas amor, você sabe, amor não se pede. Amor se declara: sabe de uma coisa? Ele sabe, ele sabe."

Meu coração chora.

Depois de meses, eu me pego sentindo sua falta. Tenho pensado muito em você esses dias e não tenho certeza se estou com saudades ou sem algo melhor pra me ocupar os pensamentos. Como era bom o que a gente tinha. E eu queria ser telepata só pra saber se você pensa em mim, de vez em quando, lembra da gente também. Se foi tudo isso pra nós dois ou eu colori demais. E eu odeio essa tendência das histórias à virarem um nada. Eu odeio a transformação brusca da presença intensa em total ausência, sem que se tenha tempo de protestar ou período de adaptação. Acho injusto o amor ou amizade ser finalizada e levar com eles, de pirraça, os espaços pra qualquer outro tipo de relação. Conhecer uma pessoa incrível tão de perto e ver ela virando um estranho, tão de longe. Pensei, repensei, lutei muito pra não te mandar uma mensagem, singela, realmente sem segundas intenções. Relutei, porque pode parecer, pra muita gente, uma tentativa patética de reconciliação ou mendigagem de sentimento, minhas amigas desaprovam e porque, pior, pode parecer isso pra você também. Mas você sabe que pensar ou não pensar não adianta muito, porque não costumo deixar passar vontade e você me conhece bem. Então, queria te dizer que virei a noite lendo um livro e o personagem principal me lembra tanto você, é incrível. Ele é você e me faz ter tanta saudade de tudo. Mas isso já não é da sua conta, enfim. Saudade não é vontade de tentar de novo e eu tô só dando um oi, que é pra você não sumir assim. Pra vê se lembra o que um amigo faz e, de vez em quando, vem contar a vida pra mim. Um oi, você sabe, só pra lembrar que eu tô aqui. Amigos, não era isso?

Não é deixar pra trás, é viver!

A gente tem mania de dividir tudo em passado, presente e futuro. Mas, e se por algum motivo não fosse mais assim? Se a contagem de tempo simplesmente parasse de acontecer. Se o que você lembra e o que você consegue imaginar não estivessem mais tão longe. Parece loucura? Talvez até seja. Mas é pensando assim que tenho levado os dias dos dois últimos meses na minha vida. Comecei riscando a palavra perder do meu dicionário. Fica mais fácil fazer quando finalmente entendemos o real motivo da nossa existência. Não estamos aqui pela eternidade, e sim pela aventura de sentir coisas diferentes e inexplicáveis todos os dias. Perder faz parte disso. Talvez seja até o momento mais importante. Quando pra conseguir em frente, precisamos respirar e parar de olhar pra trás e pra frente. Olhar pra dentro. Comecei a agradecer todos os dias. Não sou religiosa, mas acredito que existe alguma coisa maior do que o pouco que conseguimos entender. Então, seja lá o que ou quem for, obrigada por cada lágrima, sorriso e decepção que me trouxeram até aqui. Tenho certeza que sem aquelas noites sem dormir e textos escritos em vão, eu não teria entendido isso tão cedo. Dei um tempo de tudo aquilo que me fazia triste. Foram sei lá, duas semanas de introspecção. Entendo como o meu corpo e alma reagiriam a tantas mudanças. Disseram que eu já não era mais a mesma. E eu só conseguia pensar: quanto tempo será que eu precisar pra entender e aceitar isso? Abri a porta do meu coração. Foda-se se isso algum tempo depois me faria parecer (e fez) mais uma garota apaixonada dizendo coisas previsíveis pra alguém. O amor era a chave. E então, as coisas que vivi, os caras que beijei e as palavras que nem cheguei a ouvir pararam de ficar para trás. Agora, as lembranças estão comigo cada vez que abro os olhos de manhã. Quando não deixo pra depois e faço questão de dizer ou ouvir. Quando uma boa notícia me faz querer gritar da janela. Quando ligo a televisão pra ouvir a voz de alguém em casa. Quando acordo no meio da tarde pensando que os últimos meses foram um sonho. Quando durmo falando com alguém no telefone. Quando coloco fotos no mural. Quando beijo ele e sinto que meu peito vai explodir. Quando enfim, sou feliz.

Só se for por amor.

Antigamente eu me desesperava. Queria dizer "Ei, peraí, fica mais cinco minutinhos. Deixa eu mostrar o quanto sou engraçada. Porque eu sou, sabia? Sou muito divertida! Não tive tempo de mostrar tanta coisa, toma um café e espera?". Ficava me culpando por meses qualquer fim que não partisse de mim. Qualquer fim antes que eu pudesse fechar o ciclo de me encantar-gostar-apaixonar-enjoar. Que afronta pular fora antes do meu tempo! Ainda não pude ser carinhosa, não tinha tido oportunidade de ser cara de pau e louca, como você gosta. Não deu pra socializar com seus amigos chatos, mas eu vou tentar, senta aí um pouco. E queria perguntar por que eles estavam cruzando a porta. O que eu fiz de errado, o que eu fiz de certo, pra eu mudar e ninguém mais sair assim. O que eu não precisava ter dito e tudo que eu não disse e precisava ser ouvido. Fui demais, de menos? Sufoquei, deixei muito solto? Fui muito mais ou menos? Qual é, tem que ter um motivo e eu merecia saber qual era. Era o mínimo. Em outro tempo eu era exatamente assim. Me vestia de erro e tentava freneticamente ser perfeita pra um próximo amor, enquanto meu TOC de mexer no cabelo ia se agravando, porque ser perfeita é difícil demais e as pessoas continuam indo embora, sem parar. E fazer força pra ser espontânea me parece tão automático, que eu não sabia mais o que fazer, mas precisava continuar fazendo. Hoje não! Se for embora, já foi tarde. Chega de perder meu tempo e desperdiçar tudo que eu me esforço tanto pra fazer bem com quem tá comigo olhando pro relógio. Se não tive do meu lado de corpo, mente e coração, te levo até a porta, te convido a sair. De coração, é um favor que me faz. Não vou dizer que sou super bem resolvida e que assisto essa cena sorrindo e tendo certeza que o problema é unicamente dele. Não posso evitar perguntas passando pela minha cabeça, nem a sensação de ter sido metade de tudo que eu poderia ser ou menos que isso. A sensação de que eu podia ter feito tão melhor, que me persegue. Mas não precisa ter um alguém errado, algumas histórias só não são feitas pra durar e eu sei. Tudo que eu podia ter sido ou feito só ia adiar o fim e prolongar a dor. Então mantenho a porta aberta e vou tentando me curar da mania de mexer freneticamente no cabelo enquanto tento ser perfeita e finjo que não me importo. Porque se alguém ficar, tem que ser por mim, desse jeito, sem tirar nem por! Tem que ser assim, de uma forma sincera, pelo mesmo motivo que eu fico: Por amor.

Não dá pra negar.

Eu sempre fui metódica e inconsequente, por mais contraditório que isso pareça. Sempre soube o que devia ser feito de trás pra frente, mas sempre ignorei o mundo e todos os conselhos, porque eu queria fazer e ponto, isso me bastava. Amanhã é outro dia, não é? E ficava entregue aos meus impulsos até quando a pergunta "Tá valendo a pena?" fosse respondida por um "Não!" imediato. Muitos planos na gaveta, mas sempre procurei não jogar em ninguém o peso deles, até porque ninguém nunca mereceu ser o cara dos meus planos, vale a pena frisar. Ou, pra não ser injusta, nunca tive sintonia com os bons candidatos, tenho essa pré-disposição a quem vá me enlouquecer em pouco tempo. Minha amiga me disse que o meu tipo é gente problemática e eu não pude negar, ela tava certa. Por algum motivo que eu desconheço, trago escrito na testa essa minha preferência por relacionamentos, programas a dois e todo esse mimimi. Prefiro mesmo e isso assusta, eu sei. Mas se eu não soubesse segurar o tranco de ser só, estaria namorando por conveniência ou carência há muitos anos, mas isso ninguém vê. Ouvi muitas vezes a mesma coisa, mesmo argumento, uma fala oficial que me dá sono. Mas queria dizer dessa vez que se eu fosse mesmo pequena, indefesa e assustada, eu quem iria fugir.E isso, ninguém pode dizer que eu fiz.

Inteiro para você.

Eu acredito em amores eternos, daqueles que acompanham a gente pela vida inteira, como se tempo e amor se fundissem num só elemento, tornando-se imutáveis, indestrutíveis. Eu acredito em amores eternos, daqueles que vão com você para qualquer lugar, não importando o quão distante você esteja, por que a pessoa amada reside em seu próprio coração. Acredito em amores eternos e sublimes, capazes de reconsiderar tudo, com suavidade, ternura e perdão.Acredito, sim, em amores para toda a vida, e além da vida, pois seria um tipo de amor unido à própria alma, e sem alma a vida não tem razão... Amores eternos existem sim, e superam qualquer coisa, mesmo quando ninguém mais acredita neles, eles continuam sempre à espreita, esperando apenas um olhar, um retorno, uma reconciliação. Aprendi que se aprende errando. Que crescer não significa fazer aniversário. Que o silêncio é a melhor resposta, quando se ouve uma bobagem. Que amigos a gente conquista mostrando o que somos. Que os verdadeiros amigos vão com você até o fim. Que não se espera a felicidade chegar, mas se procura por ela. Que quando penso saber de tudo ainda não aprendi nada. Que a natureza é a coisa mais bela na vida. Que um só dia pode ser mais importante que muitos anos. Que ouvir uma palavra de carinho faz bem a saúde. Que sonhar é preciso. Que se deve ser criança a vida toda. Sonhos são tão doloridos e tão inteiros, tão bonitos, mas agora ficam pelas metades, com um coração partido ao meio. Uma parte fica com você, e uma comigo. Combinado? E daqui uns dias (meses ou anos) eu te entrego a minha parte e você fica com o meu coração, e o melhor ou pior de tudo, ele será inteiro para você.

Meu sorriso, meu escudo!

Se a inveja tem sono leve, então que ela nem durma ! Porque eu vou sim gritar minha felicidade, jogar na cara dessa gente pequena que eu tô aqui de pé, forte, e vai ser sempre assim. Que de vez em quando eu posso fraquejar, mas pra me fazer cair tem que ser muito mais forte que eu, coisa que eles nunca serão. Ninguém de mentira tem capacidade de derrubar alguém de verdade, as tentativas andam até me divertindo. Meu bem, se você acha que tirou alguma coisa de mim, tenho más notícias: O que é meu de verdade, ninguém me tira. O que não é, eu mesma me desfaço. E eu sigo assim, com meu sorriso estampado mesmo quando meu coração não aguenta mais de dor. E eu tenho que seguir assim, firme mesmo quando eu tô transbordando insegurança, confusão. E quando estiver desandando muito, eu escrevo e vomito esse monte de coisa que ás vezes toma conta de mim. E não importa o quão difíceis sejam os meus dias, eu ainda estarei sorrindo. Com meu coração na boca, cabeça erguida, papel e caneta. Meu sorriso, meu escudo.

Só a criança!

Sabe o que acontece ? É que quando você entende o verdadeiro valor do amor, você percebe que não vale a pena sair desperdiçando com qualquer pessoa. Ficar se gastando com quem ta sempre te machucando é tão cansativo. E ter que ficar ensinando o que é amor, respeito, cumplicidade... Quero aprender, pra variar um pouco. Ser a pessoa que erra, não a que perdoa, sabe ? Pelo menos por um momento. Quero um colo, um conselho, um amor-amigo. Não quero ser mãe de ninguém, nem namorada-e-só. Quero contar o meu dia, falar do meu passado e do meu futuro sem ter que me policiar, sem receios. Quero olhar nos olhos e me sentir compreendida, sem precisar ficar me explicando sempre. Ás vezes me sinto uma criança brincando de ser adulta. Eu quero ser a criança brincando de ser criança. Não conseguir o que eu quero e chorar, ficar perguntando o porque das coisas. Quero isso, alguém que me deixe ser pequena, sem nunca esquecer o quanto eu sou grande. Não sou professora de sentimentos, UTI de corações partidos, dona da verdade. Sou só a criança, percebe ? Só a criança.

Defeitos.

“Eu podia te contar muitas mentiras, mas não quero. Não sou nada racional. E, olha, não sei ser objetiva. Enrolo uma vida para falar uma coisa simples. Dou um montão de voltas até chegar no ponto principal. Sempre me perco. Sempre me bato nas coisas, por isso vivo roxa. Ligo sem nenhum motivo aparente, só por ligar, só pra não dizer nada. Sinto raiva. E na hora da raiva falo coisas que nem acredito depois. Fico cega, cegueta mesmo. E depois me arrependo, peço desculpa, tento engolir o que falei. Minha tê-pê-ême é violenta, sou capaz de matar uma pessoa. Fico descontrolada. E com medo de mim. Furo em festas. Digo que vou, marco hora e não apareço. Não gosto de atender telefone quando estou vendo a novela. E às vezes eu me escondo das pessoas. (..) Não é em todo lugar que me sinto bem. Não sei receber críticas e sou a minha maior crítica. Minhas opiniões são fortes, assim como meu gênio. Tem vezes que sei ser bem ranzinza, principalmente se estou com alguma coisa entalada na garganta ou de saco cheio de alguma situação. Quando algo me desagrada fecho a cara. Ou fico muda. Sou irônica e implicante. Quando pego implicância ninguém me segura. Nem eu. (..) Sou preguiçosa e sei ser arrogante. Não gosto de indiretas, mas de vez em quando dou. Não gosto de baixaria, mas já fiz. Sou uma ciumenta com comprovante de residência. Já tive ciúme até do vento. Eu bem que podia ter tentado te impressionar. Dizer que sou uma pessoa bem agradável, amorosa, gentil, bonita e fina. Também podia te contar todas as coisas legais e incríveis que faço diariamente. (..) Podia, mas não fiz. Eu sou essa mesmo: sem máscara, sem arma, sem retoque, sem nada. Tenho incontáveis defeitos, mas me ofereço inteira: com minhas partes estragadas e boas. Se quiser ficar, vem logo pra cá.”

Numa bola de ar.

Não tem conselho de amiga que dê jeito. O cara pode chegar e dizer com todas as letras que não quer mais nada e nunca quis, pode fazer e falar o que for, ficar com a sua amiga, sua vizinha, sua prima. Você tem mil argumentos na manga, pra ver todo e qualquer vacilo com babados cor-de-rosa. Coleciona desculpas, pra que toda a culpa do cara mais idiota do mundo, pareça acidente ou fique minúscula e desculpável. O mundo pode gritar a verdade no seu ouvido, o cara esfrega ela na sua cara, mas você prefere permanecer de olhos fechados e ouvidos tampados, brincando de se enganar. Esqueceu como se brinca de ser feliz. Você e sua dor, presas numa bola de ar. Sua opção, triste e solitária. A menina de antes não precisava suplicar amor, ter alguém do lado dela por pena. Agora vamos fazer as contas: Você era linda em todos os sentidos possíveis, agora é o que? Perdeu o sorriso incrível, a paz, o encanto, a leveza, o amor-próprio. Perdeu o valor, se guardou no bolso de um imbecil, pequena e compacta. Quem ia querer alguém assim? E a menina que sonhava grande? Seus sonhos não cabem no bolso dele, abriu mão também? Eu posso entender seu sacrifício sem recompensa, mas agora me responde só uma coisa: O que você ganhou, além de dor? Sua felicidade não cabe na bolha de ar. Se nem você se ama, como pode pedir isso pra alguém? Sai desse bolso, princesa. Você é mulher, dele ou não. Não é moeda. Azar de quem te perdeu! Deixa ter sorte, quem te encontrar.

Quase um pedido.

Poderia ter sido diferente. Mas se fosse, será que teria sido pra melhor? Quem vai saber? Melhor ter ficado assim, tudo mais ou menos, tudo sem mais nem menos, tudo reduzido a nada, numa fração de segundos. Confio muito em destino, num plano maior, forças do universo em conspiração. Me acha doida? Talvez, mas é que acreditar que tudo depende só das pessoas, essas que vivem fazendo pouco do amor e substituindo seus valores por etiquetas, me parece tão pequeno, nunca me bastou. Não vou te dizer que aceito bem tudo que me é arrancado ou vai embora por vontade própria, sem dizer adeus. Não vou fingir que não dói e que eu não preferia ter optado, não vou esconder a saudade. No começo é uma tortura, não é nada fácil, não nego. Mas, mesmo com tudo à flor da pele, eu não me esqueço dessa coisa de karma, de tudo acontecer por um motivo e na hora certa. Não demora muito e eu até acho melhor, solto o mundo e deixo que voe o que quiser voar. Que fique o que quiser e tiver que ficar. É muito mais triste e solitário me apegar ao que não me pertence, me fechar pra coisas maravilhosas, por estar presa numa história breve e condenada ao fim. Só respiro fundo e espero, com fé e um certo alívio, que o que for realmente meu, volte muito mais bonito, forte e mais meu do que nunca. Ou, minha opção preferida, que nunca vá. Amém.

Quando o amor invade.

"Num instante você me olha apaixonado e depois se vira pra janela ficando um pouco fora do ar. Nessa hora me belisco pra não saber do porquê, sem esquecer do dia você me falou que nem toda pergunta requer uma resposta. Mas então não fica assim, não precisa dizer nada, só não me deixe faltar aqueles abraços silenciosos pra calar a boca de quem me mandou ter calma contigo. Agora que eu me perdi, só preciso de você me dizendo que amanhã ainda vou te achar no mesmo lugar, se eu procurar. Eu te quero, na medida do impossível. Pega no meu queixo e diz que não sou só eu que sinto medo aqui. Faça alguma coisa ruim, qualquer coisa que me impeça imediatamente de sentir esse amor absurdo por você. Estou nas suas mãos e isso não é uma metáfora. Porque eu já não sei mais nada. Parece que sou mesmo seu foco de vida, mas também pode ser que você ande apenas distraído do resto do mundo. Ou, vai que você tá mesmo certo, as coisas são assim mesmo, o amor invade pela boca enquanto a gente se olha e fica rindo."

É só o frio.

"Em alguns momentos da vida, mais comumente quando começa o inverno, repensamos nossos “descartes” pelo mundo afora. É a época em que cai a ficha, finalmente, de que o tal moço incrível que vai te dar segurança, filhos, amor incondicional, cultura geral mas com profundidade e quinze orgasmos por semana pode não existir. Aí você pensa: poxa, mas tinha aquele lá, ele não era tão ruim, era? Acabou por quê? É o momento repescagem. Todo mundo já repescou ou foi repescado. Basta o cachecol e a bota de cano alto saírem às ruas. O amor meia boca volta a imperar. Garotos não tão bons de papo mas com uma boa performance no quentinho de edredom, voltam pro jogo. Outros, mais recatados e sem glamour na pegação, mas inteligentes e perfeitos para um vinhozinho de fim de dia, reaparecem com boas chances de serem valorizados. É o frio, minha gente. Nada além disso. Os bons de papo e de “cama, mesa e banho”, então, nossa. Esses recebem propostas de casamento, ganham presentes, massagens e outras coisinhas que mulheres juravam jamais dar. Elas esquecem que eram tipos malucos, inconstantes, mentirosos, traidores, covardes e mais um monte de coisa grave que ganha “desimportância” conforme o frio aumenta. Eram ótimos partidos! Eu que sou muito exigente! O frio diminui as expectativas, as esperanças, os sonhos. O frio só aumenta o desespero. Se você, caro amigo, é um partido meia boca, saiba que suas chances duplicam no inverno. Se você, cara leitora, é uma mulher que odeia se sentir burra, espere o tempo esquentar antes de mandar aquela mensagem de texto de madrugada pro seu ex-ex-ex-ex-ex-namorado. Se você deixou ele ir embora, não é o frio que deve trazê-lo de volta. Calma que daqui a pouco a voz da razão ou da regata com shortinho vai te mostrar o caminho correto."
"Aventureiro é quem vai ou quem fica? Aventureiro é quem fica. Pra quem fica os dias são todos iguais. Eu acho que aventureiro é aguentar os dias todos iguais, porque essa aventura é muito dolorosa. E tentar encontrar criatividade na repetição dos dias. No ficar existe uma aventura. Audacia mesmo é você conseguir dar conta da sua vida como ela é. Isso é heróico, e não fazer uma grande feito. Você pegar aquela mesmice e transformar em sentido: " Estou feliz aqui sendo quem eu sou". E viver uma vida absolutamente comum e normal, descobrir nisso um encanto todos os dias. Pra quem é casado isso é um desafio. Você olhar a mesma pessoa dentro de casa todos os dias e você todos os dias descobrir uma novidade que te faz ficar. Quem descobre essa graça de saber ficar, o encanto de amar o que é seu, isso é bastante realizador. AUDACIOSOS SÃO OS QUE FICAM." Padre Fábio de Melo

Ele nem sabe.

O moço tem sede de sonhar de novo. Guarda um bocado de ilusões, brinca de ser bandido e nem assim perde a doçura. Ele não perde, de jeito nenhum, por mais que ele queira. Nos olhos dele vejo um monte de esperança e uma porção de expectativas coloridas. Por mais que ele faça zigue-zague dentro do vilão que teima em não adormecer, por mais que ele se assuste, se prive, se resguarde, ele ainda sonha com um punhado de coisas boas. E ele encara o próprio rosto na fria cortina do seu não querer. E prossegue, dói, sangra. O moço se encolhe na própria sombra, no desespero de não entender e ainda assim sabe se agarrar na única luz que o alimenta. É nas palavras que ele se encontra, no meio termo, na rara frequência de estar nos lugares e, mesmo assim, se fazer tão presente. É por isso que ele volta. Demora. E, aos poucos, ele vai se aconchegando, rega meia dúzia de silêncios pra depois gritar com o coração pesado de tanta boniteza. Ele é desses tipos que a gente acha que é meio anjo, meio menino, mas na verdade ele só quer ser de verdade. Ele daria o mundo pra ser ele, escreveria capítulos infinitos só pra não voltar a encenar a própria vida. Ele nem sabe, mas da história que ele conta, metade eu acho que vira livro.
"Livrar-se de uma lembrança é um processo lento, impossível de programar. Ninguém consegue tirar alguém da cabeça na hora que quer, e às vezes a única solução é inverter o jogo: em vez de tentar não pensar na pessoa, esgotar a dor. Permitir-se recordar, chorar, ter saudade. Um dia a ferida cicatriza e você, de tão acostumada com ela, acaba por esquecê-la."
Oi, eu sou o único homem que será sempre fiel a você. Eu sou aquele que jamais irá te abandonar. Lembra daquela última lágrima que você derramou? Sabe porque você parou de derramá-la? Porque eu derramei por você. Eu sei que às vezes você reclama da sua vida, às vezes você me culpa por algo que aconteceu, mas eu sei o que é certo pra você, e quando você sofre, eu tento sofrer por você, pra você não ter que sentir toda essa dor. Eu faço milagres, você não sabe, mas eu estou planejando o seu futuro, e os planos que tenho para você, irão te fazer muito feliz. Sabe aquele amor não correspondido? Eu coloquei na sua vida, para você aprender o que é amar, e saber valorizar ao verdadeiro amor, quando ele chegar. Porque eu fiz a sua alma gêmea. Sabe aquela pessoa que você perdeu? Pois é, da mesma maneira que você amou ela, eu amo, e estava precisando dela aqui no céu. Você também não sabe, mas quando as pessoas dizem que eu não existo, eu sinto uma dor tão forte, eu tenho um coração, e ele é enorme, eu amo a todos, eu nunca vou abandonar ninguém, e quando algumas pessoas não me têm no coração, foi porque elas resolveram me abandonar. Sabe aquela vez em que você ia morrendo? Pois é, eu te segurei, eu não quis que aquilo acontecesse a você, eu não queria você comigo agora, porque os planos que tenho para você precisam ser realizados aí na terra. Eu fiz o mundo, eu fiz o amor. E antes de você nascer, eu já tinha escrito a sua história. O que acontece hoje, eu recompenso amanhã. Sabe quando você se tranca no quarto e começa a chorar? Eu estou chorando com você, eu estou te abraçando, você não pode sentir, mas eu estou ao seu lado. Sabe quando o mundo parece estar todo contra você? Pois é, eu não, eu nunca vou te abandonar, eu nunca canso de você, eu nunca quero o teu mal, eu só quero te abraçar e te ver feliz. Eu te conheço como ninguém, o teu coração está aqui na minha mão, eu posso sentir os batimentos. Eu nunca descanso, porque eu sei que você precisa de mim 24hrs ao dia. Sabe quando você deita na sua cama e reza? Pois é, eu estou te ouvindo. Sabe quando aquele seu pedido não é realizado? Pois é, coisas melhores irão se realizar, e aquilo não era o bastante. Sabe todo esse sofrimento que você está passando? Pois é, eu estou acompanhando, e eu tento falar no seu ouvido que isso tudo vai passar, mas você não me escuta… Eu sempre te escuto, mas você não quer me ouvir, por favor, não me culpa, não me julgue, eu tenho tantos planos para você. Eu te amo, e jamais vou deixar você na mão. Com amor, Deus

É meu reflexo.

Eu penso que ser sincera é uma coisa tão natural, tão mais fácil, que acho que todo mundo sempre fala a verdade pra mim também. E esqueço o quanto as pessoas sentem prazer em complicar tudo. É a minha mania mais perigosa de todas, confiar. Confio mesmo, até você me provar que não vale a pena, não vale o risco. Aí eu nunca mais vou ser a mesma. Viro, na melhor das hipóteses, sua colega bem distante e não é por mal, é meu reflexo. Pra completar, minha outra mania chata é perdoar. Não guardo mágoa de ninguém, não porque não quero, só não consigo. Juro que não quero ver a pessoa nem pintada de ouro, até ela vir com o rabo entre as pernas e pedir desculpas, simples assim. E mesmo que muitas pessoas que passaram pela minha vida tenham traído a minha confiança, não acho justo punir quem tá chegando, pelo crime de quem já foi. Nessa, quase sempre quem paga a pena sou eu, mas eu durmo bem de noite e é isso que importa. Ás vezes eu fico aqui querendo perguntar pras pessoas "E aí, de tudo que você já me disse, o que era verdade? Só pra saber...". Mas não ia fazer diferença, então deixo as verdades e mentiras assim mesmo, misturadas, eles com suas coleções de máscaras e eu sempre tão exposta. Mas quer saber minha recompensa? Quem gosta de mim, quem tá do meu lado, tá por mim do jeito que eu sou, sem enganação. Amam a mim e não uma personagem. E, no fim das contas, ser enganada fica muito pequeno, porque os maiores enganados são eles mesmos e é uma pena. No meio de tantas máscaras, uma hora o rosto real se perde e tanta coisa se perde junto. Não sei se pode-se atribuir a mim a faixa de ingênua nessa história toda, como sempre é atribuído. Mas eu aceito e lamento. Que percam-se.

"Sem se arrepender"

“Quem nunca chorou ouvindo tal música. Olhando pra tal foto. Lembrando de tal sentimento. Se dando conta que tudo poderia ter sido diferente? E ao invés de sentir saudade, iria sentir orgulho. Mas nem sempre fazemos o que é certo, ou o que achamos que é certo. E acabamos destruindo tudo que construimos no decorrer da vida, colocamos tudo por água abaixo. Mesmo sem querer, mesmo por impulso. E colocamos sempre a culpa em alguém, mas não nos damos conta que ninguém consegue destruir a sua felicidade, você mesmo que se auto-destrói.”

O valor da vida.

Desde pequeno a gente é acostumado a ouvir por aí, desde os pais até a mulher na fila do mercado, que a vida é uma merda. Que homem não presta, que a gente tem que estudar muito, arrumar um emprego que dê dinheiro e ficar bem de vida. Quando se é criança, você diz amém e vai brincar na pracinha. Daí alguém fala "Aproveita enquanto você pode!" e você nunca entende os adultos. Eu cresci e, vou confessar, ainda não entendo. A vida só é uma merda, quando você acolhe esse tipo de pensamento que é apresentado tão cedo pra todos nós e passa a viver só pra isso, ter um emprego que dê muito dinheiro e que te deixe "bem de vida". Mas isso nunca vai ser estar bem de vida, então a fórmula nunca funciona e é mais uma pessoa a todo minuto pra reclamar na fila de algum lugar. Viver de peito aberto, apesar dos pesares, dói, mas nunca vai ser só sobreviver. Eu optei por trabalhar com o que eu amo, porque sou dos meus sonhos, não escrava de um contra-cheque. Minha opção é o amor, acho que é bem por aí. Meu objetivo de vida é uma família feliz, quase um comercial de margarina. Eu faço dinheiro, dinheiro não me faz. Pra ser adulto, não é preciso abrir mão da pracinha, nem de nada que nos faça bem. É só reorganizar o tempo e as prioridades. Enquanto o objetivo de vida das pessoas for dinheiro, a vida vai continuar sendo uma merda.

Myself.

Eu chorando vendo filme de romance sou minha esperança de amor sincero e final feliz. Eu rolando na cama até de manhã sou meu medo de perder as pessoas, de me machucar outra vez. Eu mexendo no cabelo sem parar sou minha insegurança enorme de não ser bonita, inteligente e ter um corpo legal. Eu arrumada e maquiada sou minha mulher auto-suficiente adormecida, que espera essas oportunidades pra se libertar. Eu jogada no sofá sou eu livre, sem neuroses, sem peso, sem forçar barra. Eu no bar com os amigos sou uma pausa nas loucuras, meu momento de distração. Eu hoje sou sua, amanhã quem vai saber ? Gosto mesmo é de ser minha, me emprestar quando for seguro, com garantia de devolução sem danos. No fundo queria é que me roubassem, sem manual, sem dor. Sou muitas, sou muito. Sou intensa, mas não peso. É só você saber como levar. Sou verdade, sou de verdade, sou na verdade mais simples do que complicada. Meio paradoxo, mas sou mulher, ser simples e ponto não é da minha natureza. A questão é que sou, mas sou pra poucos também.

Estragando ou acertando.

Quando tá tudo indo bem, eu sempre tenho a sensação de que alguma coisa, no fundo, tá muito errada. Sei lá, é como se um relacionamento saudável fosse impossível no meio dessa loucura toda, e quando eu não posso ver os erros, eu fico com essa certeza de que estou sendo enganada. E fico procurando, investigando, revirando o mundo pra encontrar os vacilos, mentiras, motivos pra terminar. Percebe a loucura ? É como se ninguém pudesse me amar e ponto, de tanto colarem o adesivo de 'trouxa' na minha testa, qualquer carinho me parece suspeito. Percebe a tortura ? Fico oscilando entre confiar e desconfiar, querendo viver uma história leve e sempre me afundando nas minhas neuroses e cicatrizes. E homem nenhum aguenta isso, homem nenhum percorre meu labirinto até o fim. Mas como eu poderia me entregar, sem antes saber se posso ir inteira ? Como posso confiar de novo, sem saber se vai ser realmente diferente ? Quero alguém que rompa meus lacres, não que me lacre mais ! E sigo estragando tudo, só pra não ficar pior depois. Quando eles finalmente se cansam e caem fora porque eu sou louca de pedra, eu fico satisfeita. Volto pra fossa por um tempo, sem mistérios, já conheço bem o lugar e a porta de saída. E penso "Viu, sabia que eu tava certa". Talvez eu até esteja errada, mas que se dane. Se uma pessoa não tem paciência nem pra conquistar minha confiança e afastar meus medos, o que eu posso esperar então? Sou quebra-cabeça de 500 mil peças, quem não tiver capacidade, tenta um jogo mais fácil. Eu supero e agradeço.

Cafajestes.

Venhamos e convenhamos que não tem nada mais atraente do que um cafajeste. Sempre tão cheios de si, mil mulheres correndo atrás e um poder de persuasão indiscutível. Eles sempre sabem o que deve ser feito, o que deve ser dito. Os reis da auto-confiança. Eles são um tipo de castigo pra gente que idealiza tanto, tô pra conhecer quem nunca sofreu por um desses ainda. Sem perder sua essência, eles se dividem em muitos subtipos, tem cafajeste pra todos os gostos, minha gente. Os cafajestes de família estão no topo da cadeia ! Você sabe que ele é um cara legal, te envolve como ninguém, um ótimo perfil pra se namorar, mas o cara gosta de você e de todas...
”Olha, eu não quero me comprometer nem tão cedo !” Aconteça o que acontecer, ele não vai mudar de ideia. Sincero, sem ilusões. Você também não quer, sem problemas. Vocês tem uma relação legal, ele te dá atenção na medida sabe? Te dá tudo na medida, você não queria namorar nesse momento não, mas pensando bem...como ia ser bom se vocês namorassem, você já tá apaixonada mesmo, agora já era ! Aliás, só não namoram porque...ele é um cafajeste, droga. Tem o cafajeste típico, esses tem de sobra ! Ele te conhece de vista a um mês, quando ele finalmente se aproxima, na primeira semana já te ama ! E te acha diferente, especial, muito linda e todo aquele blábláblá que a gente já conhece. Na primeira semana meu bem, isso é sério ? São adeptos fiéis ao bom e velho “vai que cola né ?”, com seu leque de cantadas limitado a clichês, ele usa o mesmo papinho pra todas, e sim, tem quem acredite e se apaixone e todo aquela fossa que a gente sabe bem qual é. Esse tipo eu acho bem patético, não sei bem se me irrita ou me dá pena, mas enfim. Tem o cafajeste por acidente, ou talvez não tão acidente assim. Ele tá contigo, sempre diz que gosta muito de você, mas sempre vacila. Ele sabe que tá vacilando, mas o instinto dele fala mais alto que o sentimento por você. ”Isso te magoa amor ?Desculpa, não faço mais” Não faz mais hoje, amanhã a saga continua. A cadeia é extensa, então pra finalizar vamos falar sobre a base da pirâmide: Os cafajestes surpresa ! De primeiro instante, ele é um cara normal, sem cartas na manga, não te ilude, você pode se apaixonar ou não, mas geralmente embarca nessa confiante de que não vai se apaixonar, afinal, ele é bem normal. Os dias passam, ele tá gostando de você, você gosta de estar com ele... se ele te pedir em namoro, tá feito, vocês namoram ! Vale a pena ser frisado que você estava em paz, tranquila e ELE estava gostando de você, você gostava de ESTAR com ele, mas aceitou namorar, não tinha nada a perder. Até que você se envolve também, e tá tudo muito bem, tudo muito bom até que ele quer um tempo. OI ? é, um tempo ! Ele não tá seguro do que quer, não quer te magoar, te envolver nisso...O problema é com ele, vocês aconteceram num tempo errado, vai ser melhor pros dois. Que desgraça ! Que egoísmo ! Que babaca ! Revoltas á parte, voltamos à fossa, merda. Não tem muito pra onde correr, eles estão por todos os lados... escolha já o seu e boa sorte ! Menos cruel do que ser escolhida.

Do meu jeito, e ponto.

Eu não jogo! Queria andar com um crachá escrito isso, todos os dias. Um dia eu tava no banheiro de uma casa de festas bem badalada e ouvi uma menina dizendo pra amiga "É minha filha, tem que saber jogar!" e elas riram. Essa menina tava começando a ficar com um menino lindíssimo, que tinha mil outras garotas atrás, na frente, dos lados. Eles tão namorando há anos, felizes, acho que vão noivar. Tá errada ela? Tô errada eu? Não sei, mas posso garantir que a vida pra ela é muito mais simples. Se eu quero ficar com alguém e houver uma oportunidade, eu não vou enrolar mais uma semana, um mês. Fazendo ele esperar, eu espero também e não nasci pra isso. Eu sei bem que quando você é indiferente, eles te dão muito mais atenção e toda essa coisa. Tenho preguiça de quase todos os caras que eu já fiquei e minha preguiça desperta paixão, "amor", flores e declarações. Minha atenção é sempre sincera e bem menos valorizada, já notei também. Se eu gosto, não consigo fingir indiferença, não curto máscaras nem quando são "saudáveis" ou “necessárias”. Se eu digo não, eu quero dizer não, sem "mas" ou entrelinhas! Não me faço de difícil, não minto, não tenho medo de ser julgada fácil, não me faço e ponto, acho que é bem por aí. Gosto de você? Te digo. Não gosto? Deixo claro. O que você quiser saber, te conto, verdades em pratos limpos, nosso almoço e nosso jantar. É um jeito bem mais complicado de se levar a vida, mas eu nunca fui fã de facilidades, confesso. E se o preço a se pagar por isso é gente indo embora, adeus, deixo a porta aberta. Nunca me ausentei de mim pra prender um cara ou uma amiga. Sempre fui completamente eu, sem me transformar em pecinha de jogo por uns dias, ser fantoche das próprias regras friamente elaboradas. Admiro a praticidade da menina do banheiro. Mas acho que tem que ser sincera, minha filha.

Pra abrir as asas.

Quer saber uma verdade ? Quando você ama uma pessoa ausente, a saudade esmaga no início, dói de verdade, mas uma hora, como tudo na vida, você se acostuma. Mais cedo ou mais tarde, se acostuma. No começo você quer saber como foi o dia dele, deseja a cada segundo que ele estivesse por perto, vai de cinco em cinco minutos fuxicar as redes sociais. Até, enfim, não sentir mais nada. Por muito tempo eu me convencia todos os dias que sua ausência era temporária, necessária pra sua vida voltar pro lugar, que você também tava morrendo de saudades e querendo que isso acabasse logo. Por muito tempo eu fechei meus olhos pro fato de você ser ausente e ponto, sem desculpinha. Pro fato de você não sentir saudade nenhuma, porque eu me viraria do avesso pra gente se encontrar dez minutos e você não movia nem um dedo pra isso. Hoje, liberta do meu vício de você, eu vejo que sua ideia de amor, relação e carinho são um tanto quanto vazias, banais. Hoje percebo que você sempre me deu pouco, porque talvez seja seu máximo a oferecer. Sua vidinha vazia te faz feliz porque ela não te cobra maturidade, você pode ser moleque em paz. Tanto cara por aí, tanta vida pra eu entrar ainda, e eu esse tempo todo deixando o mundo escapar pra tentar prender você. Você acha que voa alto, e morre de medo de entrar em gaiola. Na verdade você nem voa, filhote não sai do ninho, esse sempre foi nosso problema. Quem voa sou eu. Agora eu sei.

"É que quando eu não tava legal, te procurava pra ficar bem. Mas... se eu não tô legal por tua causa, procuro quem?"

"Minha presença ausente, congelada e automática não era raiva. Não era pirraça. Não era joguinho. Era carinho, muito carinho decepcionado. Vontade de abraçar forte, cheia de saudade. Vontade de nunca ter conhecido, cheia de mentiras. Nem sabia se um dia existiu verdade, mas me poupei de fazer perguntas que eu não queria saber as respostas. Vamos pular o drama e eu aceito o fim sujo de lama, escorrendo pelo chão, sem querer saber como ou quando ele começou a ficar sujo. Sem querer descobrir se um dia foi limpo. Mas não era vingança, nem nada feio, entende? Antes fosse."
‎"Sabe quando você quer chorar? Quer gritar, berrar, deitar na cama, ouvir músicas tristes e não sair de lá… Mas continua parado no mesmo lugar fingindo que tudo está bem?"

"Um paradoxo do pretérito imperfeito, complexo, com a teoria da relatividade..."

Dividida entre minha vontade de me esconder atrás do papel e gritar minha loucura pro mundo, escolhi a segunda opção! Porque não há dor que se instale, nem mal que perdure, quando a gente se expõe, se impõe. Então, AQUI ESTOU. Sou de caneta, ás vezes careta, mas uma vez escrita, não tem como apagar. Sentimentos em parágrafos, mágoas em entrelinhas, histórias eternizadas. Personagens reais, das coisas mais banais ao mais íntimo do meu ser. Sou feita de linhas, sou a vírgula, o ponto continuativo. Nada de terapias, remédios ou maiores dramas. Me dá uma caneta e deixa que a tinta me cura aos poucos, escrevendo aos loucos, um texto sem fim.
“O diabo dessa vida é que, entre cem caminhos, temos de escolher apenas um e viver com a nostalgia dos outros noventa e nove.”

Reler, guardar, seguir.


Aposto o quanto quiser que todo mundo já sentiu dúvidas, perguntou-se “estou no caminho certo?”. Eu me pergunto todos os dias... Outro dia ouvi alguém me dizer “você quer agradar todo mundo. E você? Se agrada com isso ou é só medo?”. Na hora exclamei que estava errado, que eu pensava em mim e se isso agradava os outros era só uma conseqüência!
- mentir pra eu mesma foi a solução mais rápida e próxima que encontrei -.
O dia amanheceu cinza e o que me rodeava, os sentimentos. Sentimentos guardados, amargurados talvez, mas, preferi guardá-los novamente, é perigoso demais tentar pegar o ultimo livro de um empilhado de livros... Só duas coisas acontecem, ou você o puxa lá de baixo e derruba todos ou tira um por um e bagunça tudo. Preferi então não ler esse livro mais uma vez. Preferi deixar tudo como esta. Sem bagunça. Sem barulho. Pelo menos ainda tenho uma caneta e um coração, CHEIOS pelo que posso ver, e como um sábio me disse certa vez, a vida é feita de escolhas, você só precisa saber se é forte o suficiente para conviver com as conseqüências da sua escolha, o resto é lucro. Optei por não deixar ninguém sofrer por mim já que tudo que vai volta. E deixar livros antigos empoeirados, empoeirados onde estão.

Mais um pouco sobre o amor.


"O amor nem dá pra definir direito. Acho que é um desejo de abraçar forte o outro, com tudo o que ele traz: passado, sonhos, projetos, manias, defeitos, cheiros, gostos. Amor é querer pensar no que vem depois, ficar sonhando com essa coisa que a gente chama de futuro, vida a dois. Acho que amor é não saber direito o que ele é, mas sentir tudo o que ele traz. É você pensar em desistir e desistir de ter pensado em desistir ao olhar pra cara da pessoa, ao sentir a paz que só aquela presença traz. É nos melhores e piores momentos da sua vida pensar preciso-contar-isso-pra-ele. É não querer mais ninguém pra dividir as contas e somar os sonhos. É querer proteger o outro de qualquer mal. É ter vontade de dormir abraçado e acordar junto. É sentir que vale a pena, porque o amor não é só festa, ele também é enterro. Precisamos enterrar nosso orgulho, prepotência, ciúme, egoísmo, nossas falhas, desajustes, nosso descompasso. O amor não é sempre entendimento, mas a busca dele. Acho que o amor não é o caminho mais fácil, pois mais fácil seria dizer a-gente-não-se-entende-a-gente-não-combina-tchau-tchau. O amor é uma tentativa eterna. E se você topar entrar nessa saiba que o amor encontrou você. Seja gentil, convide-o para entrar."
‎"Um dia, quando menos se espera, a gente supera."

Mais comum que "bom dia".

Duas semanas solteira e minhas amigas e amigos insistiam pra eu sair. Eu não queria, ou talvez queria, me arrumei, e sai. Naquela noite eu devia estar sendo leiloada e esqueceram de me avisar. Já me explico. Trajeto casa de uma amiga-boate, paramos num barzinho, tava cedo. Sem perder tempo, o primeiro carinha da noite já veio me entediar. O nome dele eu nem lembro, mas posso te falar horas sobre o carro do sujeito. Não entendo nada de carro, mas decorei até a placa, de tanto que o mala repetia, enquanto eu tentava sair estrategicamente.
O motor era o melhor, a roda era a melhor, carro caríssimo, pintura personalizada, se eu ganhasse dez centavos toda vez que ele falasse "O meu carro", eu poderia ter comprado aquele bar. E eu desejando, do fundo do meu coração, que as quatro rodas estourassem naquele momento. Que preguiça. Saímos com pressa, chegamos na boate e encaramos a fila. Mas eu ter paz naquele dia era pedir demais, então claro, não podia ficar tranquila enquanto esperava. O segundo carinha tinha casa até no inferno. O pai era empresário, a mãe socialite, tinha mil cachorros de raça pura, alguns carros, casa de três andares, piscina, trezentas suítes e banheiros... juro que ele descreveu. Pegou alguma coisa sem importância da carteira, só pra eu ver o dinheiro. Ele falando sem parar sobre todos os milhares de bens materiais que ele tem espalhados pelo mundo e eu só conseguia ver uma placa escrita "Babaca" em vermelho, piscando em neon em cima dele. Hoje estavam todos decididos a monologar comigo, não foi difícil notar. Enfim, entramos. Não demorou muito até chegar o terceiro. "Quer quantos baldes? O que você quer beber? É só falar! Quer camarote?" Não consegui mais esconder minha abominação. Tava extremamente incomodada e já tinha gastado toda a minha paciência. "Meu filho, olha bem pra mim e me responde: Tô na esquina?" Ele riu, achou que fosse alguma piada "Não, por que gata?" Aquele ‘Gata’ me deu nos nervos. "Ótimo! Porque eu não sou puta, achei que isso tava um pouco confuso pra você!" Fui grossa, foi merecido. Ele saiu, sem graça, fiquei leve. Naquela noite foi excessivo, mas isso é tão normal quanto "Bom dia" nos dias de hoje. Aliás, rola mais do que "Bom dia", diga-se de passagem. Sempre me sinto mal, dessa vez, queria registrar meu nojo. Não pelos imbecis que já se apresentam mostrando o nome no cheque. Mas pelas "mulheres" que, se achando muito espertas, aceitam, gostam e estimulam esse tipo de comportamento lamentável e triste. Uma pena seu valor ser uma etiqueta nas costas, sujeita a negociação. Uma pena eu ter que ser negociada, porque vocês tão na vitrine.
Pensei comigo mesma e ressaltei, vou correr pra casa, ligar pra ele que eu prefiro concertar que jogar fora. EU não sei mais viver nesse mundo onde dinheiro e babaquice vale mais que uma flor pegada na rua. Eu vou dizer que não sei ser como essas mulheres, quero dizer.. meninas, e que o meu coração não sabe andar pela noite por ai, sendo leiloado de carteira em carteira, que eu prefiro o aconchego dos braços dele, e o cheiro do seu cabelo, que dinheiro nenhum no mundo compra.
Não adianta. Mudam-se as cores do inverno, os sorrisos, as páginas das revistas, as dez mais bonitas. Mudam-se as tecnologias, as manchetes, o preço do pão, o jeito como você corta o cabelo. Mudam-se os sonhos, o clima lá fora, o tom do batom, a decoração, o que você espera de si mesma. Tudo muda o tempo todo. Mas uma coisa não muda. Não sai de moda. Não fica velho, nem ultrapassado. Quer saber? Acho amar a coisa mais eterna que existe. Não há nada mais moderno. Mais transgressor. Mais ousado – e mais antigo – que isso. Num tempo onde as pessoas mal têm tempo, amar virou coisa de gente corajosa. Porque é preciso muito peito (e muito jogo de cintura) para seguir o que temos de mais criativo: o coração.
É o amor que nos faz ver o mundo de um jeito mais belo. E é o amor (e só ele!) que nos traz o valor exato das coisas simples. E você não precisa necessariamente amar uma pessoa. O amor é democrático. Você pode – e deve – amar a si mesmo e ao mesmo tempo amar alguém (essa, sim, é a melhor combinação!). E também amar a vida. Amar um projeto. Um trabalho. Um sonho. Ou – porque não? – simplesmente amar o amor. Se todo amor vale a pena? Eu acredito que sim. O mundo não está triste só por causa das guerras, do superaquecimento global e do tal “salve-se quem puder” As pessoas se escondem atrás das tecnologias e de um falso liberalismo pra camuflar seus medos. Para enganar seus desejos. Ah, me desculpem, mas no fundo todo mundo quer mais é se apaixonar! Mentira minha? Duvido. Todo mundo quer amar, todo mundo quer encontrar alguém especial, todo mundo quer se livrar do medo que nos impede de andar de mãos dadas. É certo que há quem prefira o morno, os relacionamentos superficiais, as noites vazias. (Relacionamentos trazem tantos problemas e alegrias quanto estar só, isso é uma verdade). Mas tenho a impressão de que todos nós temos um leve romantismo escondido, um desejo real pelo amor, uma necessidade de amar e ser amado sem a qual a vida não teria graça. (E não haveria tantos poetas, tantas canções bonitas e tanta insônia por aí).
Escrevi, uma vez, uma letra onde canta a seguinte frase: “Será que amar é mesmo tudo”? Na época eu não saberia responder. Mas, hoje, cheguei a uma breve conclusão: não, amar não é tudo. É quase tudo. Amar é o começo. O primeiro parágrafo. A primeira nota. É o que canta (e encanta). Amar é que nos faz falar. É o que nos faz acordar. É o que nos faz dizer “Bom dia” com o sorriso mais livre do mundo. Se eu estou amando? É, devo admitir. Depois de vários romances sem fim, me apaixonei por mim mesma. E, como presente, ganhei um novo amor que é fruto de todos os grandes amores que tive. Sorte minha? Talvez. Mas amor não é apenas sorte. Não pensem também que amor é a solução pra todos os nossos problemas. Não. Amor não é solução. Amor é prêmio. Recompensa feliz para quem – afinal de contas – conseguiu manter-se fiel a si mesmo. Por isso, escrevo esse texto. Em uma época em que os desejos duram o tempo de uma estação, acho o AMOR o exercício mais radical que podemos fazer.

Dica do dia ;*

"Desapegar é preciso. Sei que é difícil, mas você é capaz garota. Esqueça as roupas velhas, os amores passados, as amigas falsas e os sapatos que não cabem mais. Deixe ir, afinal, já vai tarde! Em nossas vidas temos muitos momentos felizes e inesquecíveis, porém passageiros. São necessários para que possamos aprender alguma lição, são necessários para que possamos errar. Porque quando chegar o momento certo... A vida não vai te permitir erros, é hora de acertar. Em cheio."
"Um dia, perguntei para o psiquiatra: sou bipolar? Ele me disse: de bipolar você não tem nada. Você é sincera e tem sentimentos intensos. E me explicou a origem da palavra sincera, que vem do latim e significa "sem cera". Antigamente, carpinteiros e escultores usavam cera para disfarçar os defeitinhos de esculturas e móveis de madeira. Então, eles lixavam, passavam verniz e tudo ficava aparentemente perfeito e em ordem. O aspecto das peças era magnífico. Com o passar do tempo, do frio, calor e uso, a cera ia se desmanchando e os defeitos iam ganhando vida. Sinceridade é "sem cera", ou seja, sem máscaras, sem retoques, sem querer ser o que não é. Achei bonita a explicação dele. E triste. Dói ser "sem cera"."


(Clarissa Corrêa)

Aquele velho começo

Quando a gente começa a gostar de alguém, um monte de dúvidas pipocam na nossa cabeça. Geralmente a gente demora um pouco pra se tocar quando tá envolvido. É sua mãe que diz que você está desligada, seus amigos comentando que você anda falando em fulano demais, ou você mesmo se pega ouvindo músicas românticas mais do que o comum.
Mas como eu ia dizendo, quando a gente se toca que está gostando de alguém, logo em seguida aparecem os malditos balõezinhos que só servem pra deixar a gente insegura, com a autoestima baixa, e cheia de nóias.
A primeira reação é negar. “Ah, imagina, é só um rolinho.” E o rolinho começa a virar um rolão na sua cabeça quando ele demora mais do que o comum pra te responder.
Tem também outra parte. Quando a gente se toca que tá envolvidinha, começa a se preocupar mais do que o normal com a aparência. Anda com a unha perfeita, quer hidratar o cabelo, comprar roupas novas, emagrecer, melhorar a pele...passa até o fio dental com o maior prazer!
Mas o que temos que lembrar é o seguinte: amor não pode virar neurose. Não podemos exagerar de nenhum lado. Gostar de alguém não te faz um alien paranóico e diferente de todos. Ninguém vai apontar o dedo pra tua testa e gritar: OMG SOMEONE IN LOVE DANGER DANGER DANGER. Mas parece que a gente se sente assim, não é mesmo?
Não pode mudar com o cara. Se arrumar e se cuidar mais é legal, mas não pode virar paranoia. Se você começar a agir que nem um cachorrinho carente sem dono, ficar impaciente, insegura, neurótica, reclamona, você vai virar alguém diferente de quem você é. Teu sweetheart vai começar a te estranhar e com razão. E achar que você é diferente daquela pessoa que ele se apaixonou. (Ou poderia se apaixonar).
Portanto, se você está apaixonada, curta na boa. Segure a mão nas redes sociais e não poste textinho apaixonado e vídeos do Youtube com músicas românticas a toda hora – isso pode assustar. Nem fique entrando no perfil dele 10 x ao dia. Perseguição não faz bem pra ninguém. (ou você esqueceu como é mala sua mãe dando LIKE em tudo que você põe no face? ;P )
Não fique sentada esperando ele ligar, ele entrar, ele comentar e dar like. Quando der aquela vontade de falar com ele, mesmo que você já tenha falado, vá fazer outra coisa. Se coçar o dedo pra postar uma frase linda sobre como o amor é lindo, escreva num caderno. Pule, dance, feche os olhos e invente histórias. Fique tranquila. Vai dar tudo certo. Você merece ter alguém especial. Não é um milagre que está acontecendo justo com você! E principalmente: continue sendo a pessoa magia que você, pois ser a gente mesma, é o nosso único truque pra fazer nascer amor no coração de alguém.

A garota do bar :}

Por um tempo eu tentei convencer o mundo e a mim mesma, que eu era a menina de decote, maquiagem carregada e risada alta na fila do bar. Mas a verdade é que eu nunca fui. Acho incrível essa forma desapegada de dar sequência na vida, as piadas e histórias loucas e vazias. Mas nunca fui a menina do bar, uma pena. Pra ser sincera, eu tenho preguiça das outras pessoas da fila, dos meninos na porta do banheiro, das músicas sem letra, das cantadas baratas. Não conseguiria ser essa menina, embora ache um jeito bem mais simples de encarar o mundo, porque isso tudo me dá sono, mesmo entupida de energético. Porque antes do fim da noite eu já tô sentada, brincando com o canudo do drink, esperando a hora de ir embora. A impressão que eu tenho é que eu tô sempre esperando a hora de ir embora, de qualquer lugar e qualquer pessoa. A menina da fila tá dançando com o terceiro ou quarto cara da noite. Ela é divertida e linda. E eu queria ser assim, só que as pessoas são tão desinteressantes e previsíveis, que eu prefiro o canudo. Levantei e fui ao banheiro, ela tava lá, retocando a maquiagem. Enquanto eu lavava as mãos, ela arrumava o salto e reclamou “Nossa, dói demais, né? Mulher sofre!”. Eu sorri e concordei. Doía mesmo, quem dera fosse só o salto. Olhando nós duas pelo espelho, uma do lado da outra, a diferença era só o modelo do vestido. Mas éramos muito mais diferentes que isso. Ela tinha paciência com os babacas, o barman lerdo, os amigos bêbados, as meninas de nariz em pé. Ela só queria dançar, beber e curtir, porque a vida é complicada. Eu já entrei cansada e preferia o sofá, o copo, o canudo e todas as coisas sem vida daquele lugar, porque as pessoas são complicadas. Antes eu fosse a menina do bar.

Discordando da razão.

Nunca fui de me arriscar e sair pisando em falso, andando onde não tem chão. Mas você parece ser firme e eu quase me jogo, apesar dos pesares. Porque eu te olho e vejo tanta coisa linda, mas vejo principalmente minha possibilidade de felicidade. Alguma coisa me diz que é você e eu não posso ignorar. Minha paz tão perto de mim, como eu posso virar as costas e fingir que nada aconteceu? Eu tô morrendo de medo sim, querendo mil equipamentos de segurança pra poder cair em você, sem dor. Mas não cair em você, isso eu não cogito, não consigo, ia me torturar pra sempre e não faria sentido trocar dor por dor. Toda a minha inquietação, loucura e meus debates comigo mesma se calam quando você me olha assim, pra gente poder se invadir em silêncio, em paz. Não sei de onde vem, mas alguma coisa dentro de mim grita que dessa vez pode ser diferente e meu corpo já se decidiu por mim, decidiu colar no teu. Não pude pensar muito, enquanto eu fazia a milésima lista dos prós e contras e calculava uma ultima vez a probabilidade de dar certo, você já tava em mim e vice-versa. E o bem que você me faz, tá acima de qualquer lista, medo ou probabilidade. Que seja o que Deus quiser e que, da melhor forma possível, seja realmente diferente. Que valha a pena, que valha o risco. É só o que eu espero.

Tem gente que fica e sabe como ficar,sabe como abraçar, como beijar, roçar narizinho, como andar de mãos dadas, como nos tratar. Tem outros que não sabem e quem nem vem, no máximo dão uma passada rápida, mas quando percebem que tem que arriscar pra aprender caem fora.
O mais certo então,seria gostar dos que sabem como ficar, como acompanhar o ritmo que temos...mas não, gosto mesmo é dos que tentam, dos que não sabem mas tentam assim mesmo. Porque pra quem sabe é fácil, é natural, não tem esforço. Mas pra quem não sabe e tenta, requer coragem, requer vontade, e pra mim isso é o que mais conta.
É mais divertido ver o moço tentar ser romântico e arrancar uma risada nossa por ter se atrapalhado todo, do que o moço perfeitamente e impecavelmente romântico. É mais legal saber que o tal não sabe muito bem como funciona essa coisa de conchinha, de trazer flores, de mimar, mas tenta. Do que um que sabe tudo, que traz até café da manhã na cama porque já sabia que você ia gostar, que traz flores porque é assim que os homens tem de fazer.
Sabe porque? Porque quem tenta quer mais, e pra quem quer mais, merece mais, merece o amor que a gente guarda e que inconscientemente a gente só guarda pra quem realmente quer,e quem realmente quer mesmo não sabendo, TENTA.

Entendeu né moça?

"Nada..."

To numa fase dessas que não sei o que dizer, o que fazer e o que escrever, e nem posso dizer se é ruim ou boa, na verdade acho que tem um pouco dos dois. E é difícil pra mim, sou movida a sentimentos e quando não sinto nada é estranho, ou quando não consigo decifrar... Quando você ama... bom é ótimo, você escreve e quer espalhar pra todo mundo o quanto está feliz, fala sobre os detalhes do rosto dele, sobre o coração e toda essa coisa envolvida no amor, é uma infinidade de sentimentos e sensações diferentes, e a mesma coisa acontece quando se está triste, a gente descreve a dor, fala nisso o tempo todo e parece que nunca mais vai conseguir parar de dizer sobre essa dor. Mas daí em um belo dia, você acorda que nem eu, sem saber o que dizer e acha estranho assim como eu achei, porque sempre foi uma moça faladeira, sempre gostou de descrever o que sentia... mas de repente alguma coisa te cala, te segura. Parece que alguém entrou na sua cabeça e está segurando suas ideias e fechando a cortina do coração.

Eu não espero que alguém entenda essa fase minha, apesar de desejar mesmo que alguém chegue e me tire desse tédio, mas entender é difícil. Talvez seja sorte eu estar assim, porque pelo menos não tem nada doendo aqui dentro, mas por outro lado é um azar imenso... sabe, estar sentindo aquelas coisas todas que geralmente a gente sente, acordar ansiosa pra checar os emails, lembrar de algo e chorar, correr pras redes sociais e ver as novas atualizações porque sabe que realmente vai ter algo lá. é... ou talvez seja só aquela fase de espera que dizem, aquela que a gente acha que não existe, aquela que dizem '' aí do nada acontece uma coisa boa '', talvez amanhã aconteça uma coisa boa e eu comece a sentir de novo.
Pode realmente ser que eu tenha motivos pra escrever, motivos de verdade, pode ser que amanhã eu tenha motivos também pra arrumar minha gaveta de coisas antigas pra poder achar algo ali, pode ser mesmo que faça diferença meu celular estar ligado o tempo todo. Pode ser que amanhã eu tenha porque levantar cedo da cama e tirar um dia inteiro só pra me arrumar, e como eu gostaria de ter ...

...Ah como eu queria ter mesmo motivos pra alguma coisa, como eu queria que alguém me tirasse desse tédio!

De menininha a mulher.

Conheci uma garota que não sabia nada da vida, ainda não sabe muito, mas se for comparar com anos atras... bom, ela está bem diferente agora.

Eu sempre á achei feliz demais pra coisas bobas e triste demais pras mesmas coisas bobas, acreditava em tudo e todos, não sabia distinguir os falsos porque realmente acreditava nas pessoas, acreditava em amor ali na esquina, aqueles dos filmes onde a moça esbarra no cara e pronto é amor eterno, amava filmes mamão com açúcar, que a gente já sabe como termina mais mesmo assim assisti. Tinha uma coleção desses filmes. Não sabia se vestir,colocava qualquer coisa e pode se dizer que nem sabia o que era salto. O cabelo sempre do mesmo jeito... era bonita sim, mas um pouco desarrumada. Se achava feia, se atingia por qualquer palavra mais agressiva e por isso aceitava qualquer um que a fizesse sentir um pouco especial. Se envolvia com os piores cafajestes e acreditava em cada palavrinha ''bonitinha'' que eles falavam, dizia pra mim na maior felicidade do mundo que o moço era um príncipe... não sabia muita coisa coitada.
Não sabia que esses caras ''fofinhos'' eram na verdade os piores tipos de homens, que histórias de filmes mamão com açúcar são só histórias como os contos de fadas dos livros. Não sabia que as pessoas falsas parecem pessoas boas a primeira vista, não sabia que aqueles há quem um dia chamou de amigos lhe enfiariam a faca pelas costas, não sabia nadinha... Tive então que ver essa moça chorar por tudo isso, com soluços e tudo, a abracei e disse que um dia isso tudo passaria.
Daí reencontrei com ela esses dias, a moça ainda carregava um sorriso no rosto como antes, ainda se encantava pelo simples... mas tinham que ver, parecia outra mesmo sendo a mesma. Usava um vestido daqueles de fazer inveja com um salto agulha e uma bolsa de mão,e batom nos lábios, parecia outra... tão feminina, tão, tão mulher . E ela me contou que terminou a faculdade e agora morava sozinha, que a vida andava dura, mas que amava o trabalho, me contou de tudo menos de homens. Curiosa em como andava a vida amorosa da moça perguntei - e os namoros, e os choros, e os cafajestes? e as horas manchando travesseiros, e as músicas tristes, aquela ingenuidade que tinha, e a coisa de acreditar em qualquer um?
E ela mais do que satisfeita me respondeu:
- Passou.
"A gente já se conhecia, mas resolveu se conhecer mais a fundo. Logo de começo, tudo já foi desandando e, de repente, já tava cada um pra um lado. E tua vida ia te afastando cada vez mais da minha, mas nunca chegamos a nos perder de vez. Você com a sua nova história e eu por aí, escrevendo a minha."
Até que nossos caminhos resolveram se cruzar novamente e, dessa vez, pra valer. A gente foi se reaproximando até ficar assim, eu encostada no teu peito, você deitado no meu colo, tudo em paz. Mas nada tipo esses casais padrão de comédia romântica, a gente quase se mata e depois cuida um do outro, briga e se enche de carinho. Juntos, sempre juntos. Até que você resolveu relembrar tua velha história e eu odeio, porque detesto não ser a única nos teus pensamentos, não suporto essas partes da tua vida onde eu não era protagonista, outra era dona do meu papel. E me chateia você reviver isso no meio do meu tempo, na minha cena. Me desconcentra e eu esqueço minhas falas, perco meu foco, me perco de nós. Não estraga nossa história. Continua aqui, comigo, pra gente brigar e fazer as pazes, pra só restar mais e mais carinho no fim de tudo, como sempre. Não sai do nosso roteiro, não muda de filme. Não faz o fim da nossa trama ser aqueles sem final feliz, com a mocinha abandonada e injustiçada e todas essas coisas ruins. Não estraga, por favor.

Um estranho no espelho

Rabisquei teu nome no espelho embaçado e fiquei observando-o sumir debaixo do meu nevoeiro particular. E tornava a rabiscar e ver sumir e escrever novamente. Letras garrafais, letras cursivas, garranchos. Te via, te lia e te perdia. Seis, oito, doze vezes. E me perdia suavemente no teu nome descrito ali e na minha alma. Alinhava cada letra na quentura que invadia o espelho, desalinhando a saudade sem cor, subscrita na curva do peito. Como podia tanto passar de anos e você continuar firme, forte e pulsando aqui, do lado de dentro? Eu quis te odiar cada vez que te lia e cada vez que tu sumia, mas não conseguia. Sequer consegui. Tem algo de mágico nas letras do teu nome que rabisco, todo dia, no espelho que – outrora – também te via. E te via carinhosamente. E te desenhava assim, por dentro, aninhava teu nome, como se você estivesse ali - tão presente - tão meu. E cada gota que molhava meu corpo se desfazia na vontade, inteira de te molhar por dentro, com amor, com a saudade que pulsava ali comigo. Naquele espelho, eu te via e te alimentava na verdade que eu sabia, que nunca sairia dali desembaçada. Teve um tempo que tu vinhas e me abraçava e juntos desenhávamos besteiras, rabiscávamos uns corações tortos e riamos entre beijos. Hoje tem só teu nome que, letra por letra, ponho ali, naquela superfície fria e embaçada. E você vem. E você some. E não há mais nada.

Acorda garota!

Fico impressionada com essas mulheres que conseguem ser "felizes" mesmo estando num relacionamento ruim. O cara é um babaca, egoísta, criança, grosso, frio, insensível, mentiroso... mas a mulher ta lá, jurando que está super feliz e que está tudo bem.. chorando? não, não.. tá calor.. é o olho que ta suando!
Imagina quando ela conhecer alguém - qualquer um, não precisa nem ser um príncipe - que a trate bem, que seja companheiro, que a faça rir, que preste atenção no que ela diz, que faça surpresas... Vai se sentir a mulher mais amada do mundo, quando na verdade, isso é o mínimo! Porque quando a gente gosta, se importa. Quer surpreender, quer agradar, que fazer feliz...
Por isso que eu falo: vocês estão fazendo errado! Quando o cara chega com aquele papo "sou assim você tem que aceitar" lhes digo: PORRA NENHUMA. Cai fora porque é cilada. Se o cara diz na sua cara que vai te tratar mal e te fazer chorar, pois não vai mudar o comportamento dele e você aceita, não adianta você choramingar depois no colo das amigas. E quando ele disser "você sabia que eu era assim desde o início" (e eu, particularmente, acho que não tem coisa mais escrota que a gente possa ouvir), você não vai poder dizer nada, pois é verdade.

Então a ideia é simples: NÃO ACEITE.

O mundo tá uma merda, tem um monte de gente que não presta, mas a felicidade ainda é possível, ter alguém que te faça bem pode sim ser uma realidade. É só você não perder tempo aceitando o inaceitável por medo de ficar sozinha, ou achando que vai mudar aquele cara, pois você é especial (querida, menos!). A pessoa que gosta de você e vai te tratar como uma verdadeira princesa existe, mas para que ela chegue até você, é necessário parar de perder tempo com alguém que não te faz bem
Uma pessoa madura e consciente está sempre buscando melhorar e, pra isso, tenta amenizar os seus defeitos, não os escancara por ai. Uma pessoa adulta sabe que uma determinada característica pode ser um defeito ou uma qualidade - depende do nível de aceitação do outro. Por esse motivo, é muito melhor ir se descobrindo aos poucos - e ir vendo do que gosta. Desconfie de quem já chega anunciando os próprios defeitos e manda você o aceitar de qualquer forma, se não, não ama. Isso é coisa de gente mimada e imatura. Depois não diga que eu não avisei...

Será que dá?

Será que dá pra viver sem abraço? Sem beijo, sem carinho, sem sorriso? Sem chamego, sem afago, sem apego? Sem bom dia, sem felicidade, sem alegria? Será que dá pra viver sem saudade, sem surpresa, sem ciúmes? Será que dá pra viver sem chocolate? Sem café, sem refrigerante? Sem chorar no final do filme, e chorar de rir de alguma coisa boba? Sem piscina no verão, sem cobertor para espantar o frio, sem emoção? Viver sem paixão, sem meta, sem razão? Será que dá pra viver sem amizade, sem cumplicidade? Sem discussão, sem aventura? Viver sem conversa de madrugada sobre tudo e sobre nada? Sem colo, sem atenção, sem farra, sem diversão? Sem cochilo de tarde, sem sorvete, sem presente?
Será que dá pra viver sem aquela canção, sem aquela lembrança? Sem aquele calor, aquele aperto na mão. Aquele nervosismo da primeira vez, da segunda, da terceira, da última. Sem o aperto da despedida e o alívio do reencontro. Será que dá pra viver sem a falta? Sem a falta que a falta faz? Sem o gosto, o cheiro, o toque? Sem o medo de perder e nunca mais ver, nunca mais ter?
Será que dá pra viver sem respirar? Sem comer, sem pulsar? Sem correr, sem gargalhar, sem aprender? Sem crescer e ensinar? Sem se machucar? Será que dá pra viver sem errar? Sem se arrepender? Será que dá pra viver sem perdoar? Viver sem esquecer? Viver sem se lembrar? Será que dá? Já tentei e não. Não dá pra viver sem você.

truth.

Nunca foi o que os que os outros pensam, e parece que você nunca entendeu isso.Sabe quantas chances eu dei a mim mesma pra poder te entregar?sabe quantas vezes eu pensei em te querer desse jeito que você é? Eu sei o quanto você gosta de mim e o quanto se importa, mais tudo que você tem a me oferecer não foi suficiente pra mim e nem pra você.Eu sempre tentei me convencer de que tudo isso tivesse uma explicação lógica e que me desse esperança,eu só nunca quis encarar a realidade.. Talvez eu quisesse mesmo é alimentar tudo isso dentro de mim, quisesse um pouquinho mais de você, mas se assim continuasse eu não conseguiria mais me olhar no espelho, e quando olhasse acharia só uma imagem patética e falsa criada por mim mesma da qual eu me arrependeria pro resto da vida. Eu tive medo de dizer tudo o que te disse, tive medo de perder até aquele seu "Oi" de longe, eu tenho meio que um defeito sobre essas coisas... Eu não suporto perder as pessoas, não suporto perder ninguém e não suportaria ter que perder a sua educação, não suportaria te ver e saber que me odeia. Por isso demorei tanto a te dizer o que te disse. Eu tentei te odiar, de verdade eu tentei, e talvez eu até tenha conseguido por um tempo, mas toda vez que eu queria ter a chance de te odiar cara a cara você vinha com essa educação ou apenas lábia de querer algo e fazia algo bom ou parecer bom e eu voltava a te querer de novo. Eu sempre achei que a minha ingenuidade em relação a você fosse algo de que eu deveria me orgulhar, algo que eu deveria bater no peito para as pessoas verem o quanto eu acreditava em uma pessoa. Só que a ingenuidade se perde com a verdade, se perdeu e abriu espaço para toda aquela ilusão escapar, abriu essa janela da verdade. Eu percebi que não era eu que não podia estar com você, era simplesmente você que não queria estar comigo.
Não se deve julgar ninguém sem saber os motivos do comportamento dela, se deve viver com o coração, agir pela emoção. a maioria das pessoas pensa muito, tem medo de se apaixonar, de gostar de alguém de verdade, e quando gostam muitas vezes nao admitem pra si mesmos , elas acabam sendo mais tristes por viverem pela razão e pensar só no bem fisico. se deve viver para sorrir, e o que te faz sorrir ? um sorriso de quem se ama, uma palavra que mesmo baixa é verdadeira, risos provocados por besteiras, e não importa se vão te julgar, viva para si. não se deve ter medo de mostrar a verdadeira face, de mostrar a SUA face.

Será que é amor ?

Quantas vezes não fomos alvo de mendigagens ou mendigamos amor? Vejo muitas das minhas amigas fazerem isso e até eu mesma. A gente sabe que o sujeito tem manhãs, sabe que ele é fiel enquanto ta do ladinho ou na mesma cidade, mas é só dar uma liberada de alguns metros e ta lá se engraçando com outra, sabe que o bixo é ciumento, que tem aquele defeito que a gente não suporta, mas ainda ta junto. Sei que todo mundo tem defeito, e que a gente tem sim que aprender a aceitar individualidades, mas então que não venha reclamar. Porque a maioria dessas vivem dizendo que ele é isso, aquilo, que não aguenta, desconfia, sufoca. SINCERAMENTE? melhor que termine.
Namoro tem suas desavenças, seus defeitos, suas tempestades, mas ainda assim é pra relaxar, pra ter alguém pra contar, conversar e tudo mais. Quero dizer, se não confia no cara nem pra ir a esquina ou odeia o piti que ele dá na rua quando te vê com um amigo, o que ainda faz do lado dele? Pensa bem, tu cria boas maneiras, lê bons livros, se cultua e vigia o tempo todo pra ser no minimo bem educada, passa horas no salão hidratando o cabelo, fazendo unha, compra roupas do agrado dele, faz cafuné, prepara um café na cama e tudo mais pra aguentar desaforo e ficar do lado de qualquer um?
Acha mesmo que precisa disso só pra não aparecer sozinha nas festa de família, ou ter de ir ônibus a cidade, ou então sair de casalzinho com as amigas? Porque vê lá hein, se for por algum motivo desses... larga moça, MAS LARGA AGORA, AGORA ENTENDEU? Antes que seja tarde para os dois.
Nós temos de parar com essa mania de se conformar com pouco, de achar que ta bom, principalmente pra nós mulheres. Você merece mais do que um cara que quando ta do seu lado é um e pelas costas outro, merece mais do que um ''barraqueiro''ingrato e metido, e se for pra ficar sozinha um ano, dois, três, que seja, uma hora aparece um que saiba valorizar o que tem do lado, que saiba respeitar limites. Todo mundo é unicamente exclusivo, mas se você olha pra ele e não vê mais essa exclusividade, é porque realmente a coisa não é pra ser. Então vão bora fazer essa fila andar, que já tem mendigo demais pra catar esmola e caridade é só pra quem realmente precisa. Daí da próxima, sua cabeça não vai querer mais gritar ''Tô com ele só por conveniência''.Você tem que estar com alguém que você não precise, mas queira estar SEMPRE PERTO sem motivo certo.

Um por todos e todos por um.

Problemas todo mundo tem,isso é fato mais que consumado.
Em qualquer esquina que a gente vá vê pessoas passando por dificuldades,chorando por amores e não importa onde e nem quando,sempre vai haver alguém com problema,seja maior ou menor.
A guria que não aguenta mais o namorado ciumento,a guria que não tem namorado e é cheia de carência,até a guria que tem medo de relacionamentos,são elas que nos ajudam a nos levantar depois de uma dessas desilusões.Entendo agora que quando disseram que sãos as pessoas que movem o mundo,não se referiam só a economia,política e coisa parecida,se referiam a uns aos outros.Não tem porque lançar desfiles novos a cada estação se não houver pessoas que as cobicem,não tem porque ter bancos espalhados pelo mundo se não houver pessoas pra depositarem seus dinheiros,não tem porque parar de chorar pelo cafajeste do seu ex se não houver outros homens.
A gente se apoia um no outro,a gente se levanta por esperança,por ver que outros podem viver as nossas vidas se não agirmos,por ver que sempre há algo melhor lá fora.Eu mesma sou assim,tiro conforto de pessoas que já sofreram pior ou até igual e agora brilham sem praticamente nenhum arranhão.Acho que um dos motivos pelo qual ainda escrevo é esse,sei que tem pessoas aí fora que vão sofrer o que sofri,ou estão sofrendo o que eu ainda vou sofrer,daí gosto de contar de aconselhar de ser um ombro amigo porque sei o quanto dói.
Podem dizer o que for mais a raça humana ainda continua racional,e enquanto houver racionalidade haverá choro e enquanto houver choro haverá esperança e enquanto houver esperança,haverá motivo pra continuar aqui.

Movendo.


Nunca fugi de um desafio; enfrentá-los sempre foi minha auto-afirmação. A vitória me soa bem. Mas, essa é uma batalha que não vou travar: não vou lutar contra o tempo. Não mais.
Não vou correr até o ponto para não perder o ônibus, não vou perder a noite de sono virando a madrugada, não vou gastar cada minuto atualizando a página da minha caixa de entrada. Não mais. Vou deixar a chuva molhar meus cabelos ao invés de correr da tempestade, Vou aproveitar cada minuto antes da separação, vou rasgar os rascunhos, vou parar de planejar o futuro. Taparei os meus ouvidos para não ouvir o choro de adeus. Assim como encaixotei meus pertences, dividirei meu coração em pequenas caixinhas, mas vou mantê-las tampadas pois sei que não resistiria à tentação de dar uma última avaliada em meus sentimentos.
E por mais egoísta que sooe, é momento de olhar para mim. Sem julgamento e sem expectativas. Quanto mais lembranças ficam para trás significa que estou indo cada vez mais para frente.

Idealizando certo!

Outro ano começou, na verdade estamos no final de janeiro e a fixa pra mim ta começando à cair agora, pois o cheiro do ano começou a ser exalado agora e corações esvaziaram querendo se encher de novo, corações implorando por amor, começo a ouvir os resmungos de: "se querer a pessoa certa", "de que está na hora de encontrar a pessoa certa". Na verdade posso dizer mesmo é que ouço sempre, até de mim mesma. A pessoa certa é idealizada em muitas qualidades e até defeitos. Mas vou te contar um segredinho, você é a pessoa certa. Isso mesmo, você é unica e isso já te faz alguém feito pra caber em poucos braços, ou se preferir em um único, a sua pessoa certa. Eu e você ficaríamos horas e horas a fio só discutindo como é o tal pra você e como é a tal perfeição pra mim e ainda assim não chegaríamos a nada, só uma conclusão, eu e você somos diferentes. Ser diferente não é ruim, muito pelo contrário, faz de você especial, faz de você a pessoa certa pra alguém. E acredito que até os seus defeitos que muitos odeiam te deixaram mais atraentes pra alguém. Ninguém precisa se tornar uma pessoa certa, porque já é, a vida te faz essa pessoa, e a vida te trará a pessoa que vai somar e dividir com você. Não preciso ser uma Cinderela ou qualquer outra princesa pra que gostem de mim, não preciso ser ninguém além de mim mesma. Com certeza você já deve ter escutado a tal frase "Quem procura, acha." Pois é, se você anda com quem gosta de rock, é muito mais provável que seu futuro namorado também goste, se você anda com quem gosta de ir a festa, provavelmente você vai namorar um festeiro. É assim que funciona, sim senhorita, então se você anda com pessoas que não tema nada a ver com você só porque são populares ou parecem melhores, você vai encontrar alguém que não tem nada a ver com você, por melhor que ele seja, e já sabe o que acontece né? Não dará certo. Ande com quem tem a sua a cara, com quem te agrada e seja você mesmo, por mais que pareça estranho pro mundo, seja você e a pessoa certa vai aparecer, e não tem nada a ver com a pessoa perfeita é só a pessoa certa pra você, cheia de defeitos sim, pois ninguém é perfeito, mas que de alguma forma a fazem única pra você.

um trecho de amor.

Na teoria amar é simples.Na teoria o amor caminha do nosso lado sem obstáculos,mãos se entrelaçam facilmente,beijos são dados com naturalidade que parece até como respirar,olhar nos olhos é inevitável.Na teoria qualquer esquina é um parque lindo de amor,na teoria as coisas são simples assim,o amor é como qualquer brisa leve que passa e te toca.Na prática as coisas são um pouco diferentes.Na prática o amor possui suas dificuldades,mãos se entrelaçam suadas de nervoso,beijos são dados com borboletas desesperadas no estômago,olhar nos olhos é quase que impossível diante a tanta vergonha e nervosismo.Na prática a próxima esquina é um beco,e até que se chegue ao parque várias esquinas terão que ser viradas.Na pratica as coisas são complicadas e o amor é um vento rasante que te carrega sem nem ao menos você pedir.Não se iluda,o amor é difícil e complicado,mas ainda continua sendo a melhor coisa pra se sentir.

A garota chamada eu.

Em uma rua qualquer de uma cidade pequena,havia uma garota...na verdade haviam várias,mas me refiro aquela garota,a de olhos castanhos escuros,cabelos enrolados...aquela que anda com a bolsa meio de lado.Uma garota talvez nem tão popular mas conhecida por ser cidade pequena.Como as outras,essa já se apaixonou,já se entregou,já chorou,se iludiu e aprendeu.Muitos garotos já haviam passado pela sua vida,não um número grande,na verdade era até um número insignificante e pequeno que não fazia diferença,independente do número nenhum desses foi o certo.Por algumas vezes essa garota chegou a pensar que talvez não fosse boa o bastante pra ninguém ou que simplesmente exigisse demais.Pensou na possibilidade de uma mudança,na verdade em várias.Ela tentou mudar,tentou ser o suficiente de alguém,mudou o corte de cabelo e até algumas roupas,mas no final nada era válido porque eles sempre iam embora.Não me entenda mal,não era uma questão de parar o mundo e dizer
- Olhem pra ela,está sofrendo!
Porque afinal milhares de outras garotas sentiam o mesmo e talvez passassem por pior.Não era nenhuma questão que pudesse levar ao fim dela,porque havia muito sorriso naquele rosto ainda e muita esperança naquele coração machucado.Nada demais,era apenas um dia,o dia dela...o dia em que o número certo apareceu,o dia em que o coração machucado podia respirar aliviado pela primeira vez...nada demais,apenas eu descobrindo o sentido de ser eu mesma,apenas eu sabendo que alguém reparava,se importava e o mais importante...queria estar do meu lado naquela ruazinha qualquer de uma cidade pequena,alguém que só se importava com a minha companhia e não mudaria nem um fio do meu cabelo.